Notícias

Residência em Cirurgia Geral: como funciona, concorrência e vagas

A residência em Cirurgia Geral é de acesso direto e duração de 3 anos. É a terceira especialidade médica mais procurada com média salarial variando de R$ 6 mil a R$ 8 mil para 22 horas semanais. Entre as exigências para se tornar um bom cirurgião estão resistência física, controle emocional e segurança.


Muitos estudantes de Medicina já iniciam o curso com a certeza da especialidade que vão seguir. A Cirurgia Geral é uma delas. Atualmente, a especialidade é a terceira com maior procura nos concursos de residência médica.


Para ser um bom cirurgião geral é preciso ter um perfil bastante peculiar. São exigências habilidades manuais, resistência física, controle emocional, saber lidar com situações de emergência e trabalhar sob pressão.


"O cirurgião só sabe a hora que vai entrar para o centro cirúrgico, mas não sabe quando vai sair."

Residência em cirurgia geral com acesso direto


A especialidade de cirurgia geral é de acesso direto, ou seja, tão logo termine a graduação, o médico pode ingressar na residência médica. No Guia de Residência Médica você encontra todos os detalhes sobre as residências médicas R1.


É importante que o estudante saiba que, em 2019, houve uma alteração nos programas de Residência de Cirurgia, proposta pelo Colégio Brasileiro de Cirurgiões.


Em resumo, a área foi dividida em duas: Área Cirúrgica Básica (2 anos) e Programa de Cirurgia Geral (3 anos).


Quem quer fazer a especialidade como pré-requisito para outras áreas cirúrgicas, deverá fazer residência em Área Cirúrgica Básica (2 anos). Já quem quer se tornar especialista em Cirurgia Geral, fará o Programa de Cirurgia Geral (3 anos).


No pré-requisito, ou seja dois anos, o médico terá um certificado de competência, mas não é considerados especialista. Isto ocorre apenas quando ele terminar a subespecialidade.


Um detalhe importante é que quem fizer o programa de 3 anos também pode seguir para uma outra especialidade cirúrgica.


Independente do seu caso, continue lendo este artigo para saber muito mais. Vamos mostrar tudo sobre a residência médica em cirurgia, que, aliás, aponta para um futuro cada vez mais avançado tecnologicamente. Como por exemplo, as cirurgias robóticas. 


Como especializar em Cirurgia Geral

O caminho considerado mais adequado é escolher um boa instituição e prestar o concurso para a residência médica. A residência é o momento para a consolidação do caminho profissional.

São vários as instituições renomadas, com a USP e a Unifesp, que oferecem programas de residência em Cirurgia Geral.


A concorrência para uma vaga na residência médica de cirurgia é tão ou maior que entrar para a graduação em Medicina. Em média são oferecidas 2 mil vagas de Residência em Cirurgia Geral por ano. A maior parte delas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), em hospitais universitários ou outros hospitais públicos da rede de atenção à saúde.


Segundo os especialistas, a concorrência se dá pela própria especialidade médica permitir que o profissional faça uma subespecialidade mais específica.


Áreas que exigem a cirurgia como pré-requisito


Com as mudanças que instituíram duas áreas, o Programa de Residência em Cirurgia Geral e a Área de Cirurgia Básica, o estudante pode optar por uma das duas, dependendo da carreira que pretende construir.


Caso você queira se especializar em alguma área cirúrgica que não a Cirurgia Geral em si , o melhor é optar por aderir à Área Cirúrgica Básicas. Veja exemplos de áreas se enquadram nesta situação:

  • Cirurgia do Aparelho Digestivo

  • Cabeça e Pescoço

  • Cirurgia Plástica

  • Vascular

  • Urologia

  • Torácica

  • Oncológica

  • Pediátrica

  • Cirurgia Coloproctológica

Se a intenção é aprofundar seus conhecimentos